Sem Travas

Perguntar não ofende


É de se perguntar ao novo jovem alcaide, seu Gean, o que ele espera de Felipe Melo na fusão das Secretarias da Comunicação e da Casa Civil. Pelo jeito, Gean não vê jornalista em condições de corresponder ao perfil do seu governo.

Que extinguisse a Secretaria de Comunicação, estruturando somente uma assessoria. O efeito seria bem menos nocivo à imagem do alcaide.

A propósito, usa-se ainda terminologia vencida no tempo: por que Casa Civil? Por que Casa Militar? Seria o medo de mudar? Gente, estamos no século 21 usando terminologia do século XIX.

  • OMISSÃO DA PRE

Só a Polícia Rodoviária Estadual não enxerga que o engarrafamento na SC-401 tem como uma das principais causas o afunilamento no acesso a Jurerê. Todo mundo quer furar a fila e acaba obstruindo a passagem da maioria para Canasvieiras, Cachoeira, Brava, Ponta das Canas, etc.etc.

Se a Polícia não quer sair do ar condicionado, pelo menos coloque cones para impedir que os furões continuem atrapalhando o trânsito.

  • CADÊ A GUARDA?

Se me dissessem que César Júnior teria dado férias coletivas à Guarda Municipal, eu e mais alguns milhares de florianopolitanos acreditaríamos. Não se vê uma alma fardada em lugares de convulsões normais no trânsito. A menos que eles estejam camuflados em balneários multando carros, já que esta foi uma de suas principais características nos últimos quatro anos.

  • CIDADE TURÍSTICA?

Um senhor paranaense, de meia idade, cansado de guerra e da hipocrisia do serviço público, não se conteve ao percorrer a rua luiz boiteux piazza, de acesso a Brava, Cachoeira, Ponta das Canas, etc., parando a cada dois minutos atrás de um ônibus:

- Gozado, me diziam sempre que Floripa era organizada, desenvolvida e turística. Mas olha só: o ônibus para e breca dezenas de veículos, porque não há refúgio para ele. Só há lugares meio parecido com Floripa, lá na Índia.

Augusto Podemond tem razão. Florianópolis quer ostentar um título falso sem sequer equacionar problemas fáceis.

  • ALTOS SALÁRIOS

O jovem alcaide acertou na mosca, ao determinar que ninguém no serviço público municipal de Florianópolis vai ganhar mais que o prefeito, ou seja, R$ 25 mil.
E – acreditem se quiser – há cerca de 50 funcionários municipais recebendo em torno de R$ 50 mil.

Claro que isto vai virar um imbróglio jurídico e, considerando que juízes e desembargadores recebem remuneração  maior que a do governador, haverá, sem dúvida, motivo para os marajás do serviço municipal ganharem o direito de continuar com os altíssimos salários.



Receba Novidades da
Making Of por email! Cadastrar email