Roberto Azevedo

Temer reavalia a agenda no Estado


O ministro Eliseu Padilha, reunido com líderes na Câmara, que pode ser o empecilho para Michel Temer vir a SC. VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

A equipe denominada de precursora da Presidência da República faz reunião, nesta terça, na Barragem de Ituporanga, para acertar os detalhes com as autoridades de Santa Catarina da visita do presidente Michel Temer ao Alto Vale do Itajaí. É um misto de integrantes da segurança institucional e do protocolo do Palácio do Planalto que, ao virem ao local da agenda presidencial, marcada para a próxima sexta-feira, praticamente oficializam o compromisso, embora, em Brasília, há dúvidas sobre o deslocamento do chefe do Executivo da nação. Os acontecimentos que envolvem o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), que deve constar na lista do procurador-geral da República Rodrigo Janot, a ser encaminhada ao Supremo ainda esta semana, provavelmente nesta quarta, para abertura de investigação de figuras do Executivo e do parlamento, citados nas delações da empreiteira Odebrecht sobre financiamentos de campanha com caixa dois, seria o empecilho.

 

O centro do problema

Eliseu Padilha, sobre quem pairam vários relatos de que teria ficado com mais de R$ 10 milhões para o PMDB, repassados pela Odebrecht, é hoje o principal assessor do presidente na articulação com o Congresso Nacional para aprovar a reforma da Previdência e antecipou o retorno ao Planalto uma semana antes do previsto pelos médicos, após passar por uma cirurgia em Porto Alegre, justamente para acelerar a questão do que o governo chama de “a reforma das reformas”. Não distante também está a real possibilidade do nome do governador Raimundo Colombo constar em outra lista de Janot, a ser enviada ao Superior Tribunal de Justiça, em que o pedido de investigação sobre doações de campanha da empreiteira envolveria igualmente os governadores Luiz Fernando Pezão (PMDB, do Rio de Janeiro), Fernando Pimentel (PT, Minas Gerais) e Geraldo Alckmin (PSDB, São Paulo). Com este cenário, Temer pode adiar a visita a Ituporanga e o sobrevoo em Taió, onde inauguraria as duas elevações das barragens do sistema de contenção de cheias do Vale do Itajaí.  

 

Contato

Nesta segunda, Raimundo Colombo ligou para o presidente Michel Temer com o objetivo de confirmar a visita e obteve a informação de que, até o momento, tudo está mantido. Na posse da nova diretoria da Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e TV (Acaert), na Fiesc, Colombo fez um discurso contundente sobre o momento que o país vive e a parceria com os meios de comunicação que levou à aprovação da reforma da Previdência no Estado e a renegociação da dívida com a União, dois assuntos liderados pelo governo catarinense.

 

A crítica

Para Raimundo Colombo, “não estamos perto do fim do mundo”, mas a transformação que vivenciamos neste momento, “profunda e positiva, mexe com a gente”. O governador referia-se à falência do modelo político brasileiro e ainda à força das redes sociais, “a democracia direta”, inchada com notícias falsas, e sobre responsabilidade das mudanças, e foi direto ao afirmar que “o modelo velho morreu, mas o novo não nasceu”, além de convocar os radiodifusores a um processo de ajuda para o Estado e o país, quase que uma antecipação sobre os momentos difíceis que devem vir, sem especulações, e com a possibilidade de esclarecimento.  

 

GUIDO SCHWARTZMANN/ACAERT

TROCA DE BASTÃO

Na posse da nova diretoria da Acaert, prestigiada pelo governador Raimundo Colombo e pelo presidente da Assembleia Silvio Dreveck, entre outras autoridades, o presidente Marcello Petrelli ressaltou dois itens da pauta da radiodifusão do Estado como fundamentais: a implementação da digitalização em alta definição das emissoras de TV, bastante avançada em Santa Catarina, e a migração das emissoras de rádio do AM para o FM, em fase inicial. Petrelli (à direita na foto), que enfatizou a importância da comunicação regional, prestou uma homenagem ao ex-presidente Rubens Olbrisch, que comandou a entidade entre 2014 e 2016.

 

Provocação

Com tanta denúncia que ronda o Palácio do Planalto, o governo aposta que aprova a reforma da Previdência por ter maioria no Congresso e também pelo fator histórico. Interlocutores do presidente Michel Temer valem-se de que, no passado, o PT e as oposições foram contra, por exemplo, aos vitoriosos Plano Real e Lei de Responsabilidade Fiscal, duas matérias aprovadas e com sucesso só para citar assuntos que renderam muito discurso e nenhum recuo do Planalto, e por isso acreditam que a atual reforma entraria no rol das derrotas ideológicas, principalmente depois que, em evento da Contag, Lula disse que viajará o país contra a aprovação da medida. Porém, Previdência é algo que mexe com a vida de todos.  

 

Segura o João!
Depois que voltou a ganhar força a possível saída do deputado federal João Rodrigues do PSD rumo ao DEM, até mesmo o ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações), presidente nacional licenciado do PSD, confirmou a participação na festa de aniversário de 50 anos do parlamentar, nesta sexta, em Chapecó. Fica evidente o movimento do grupo do deputado Gelson Merisio, presidente estadual do PSD, para evitar a debandada de João, o que representaria um baque regional ao projeto de 2018.

 

Uma tertúlia

A festa de João Rodrigues é tão grande, com a previsão de 55 prefeitos, 35 vices e dezenas de vereadores, deputados estaduais e federais, secretários regionais e muito líder regional, que alguém propôs que entrasse no calendário oficial da cidade, que comemora 100 anos em 2017. O jantar, marcado para o Salão Comunitário do Bairro Bela Vista, virará ponto de convergência política, e rivalizará com a visita, não cem por cento confirmada, do presidente Michel Temer ao Estado.

  

À bala

Não se comenta outra coisa na Assembleia depois que, no fim de semana, um projetil calibre 9.65 atravessou um vidro de corredor, no segundo andar da Assembleia, e se alojou na parede, próximo à porta do gabinete do deputado Serafim Venzon (PSDB), vindo, provavelmente, de um disparo feito do Morro do Mocotó. Não é um fato isolado ou inédito. Em junho do ano passado, após tiroteio entre a Polícia Militar e criminosos no mesmo morro, uma bala perdida atingiu o gabinete do desembargador Artur Jenichen Filho, no terceiro andar  do Tribunal de Justiça, que fica ao lado da sede do Legislativo estadual, o Palácio Barriga Verde. Há quem já chame a região de “Faixa de Gaza”.

 

A outra reforma

Sessão pública para debater a reforma trabalhista levará o presidente da Fecomércio de Santa Catarina, Bruno Breithaupt, à comissão especial que debate o tema, em Brasília, nesta terça, a convite do deputado federal Celso Maldaner (PMDB). Breithaupt, que representa o setor que reponde por 1,4 milhão de empregos no Estado, carrega na bagagem a proposta de que é essencial que a reforma permita um amadurecimento da relação sindical no país, dando força às convenções coletivas, com regularização da jornada flexível de trabalho (trabalho intermitente), terceirização e extinção da multa de 10% ao FGTS, o que para a Fecomércio aumentará a produtividade e dará condições para a retomada do crescimento. 

 

ALESSANDRO BONASSOLI/DIVULGAÇÃO

VOVÓ TUCANA

Em Monte Carlo, no Meio-Oeste, a dona Carmen Kamp, de 81 anos, surpreendeu ao assinar ficha de filiação no PSDB, durante a visita do senador Paulo Bauer, pré-candidato ao governo, que ficou feliz da vida com a nova aquisição tucana. Foi uma das 50 realizadas no município, uma ação da prefeita Sonia Vedovatto, a maioria de mulheres. Bauer também passou por Caçador, onde palestrou na Universidade do Vale do Rio do Peixe (Uniarp).

 

RÁPIDAS

 

* Pelas regras do governo Temer, o ministro Eliseu Padilha só seria afastado do cargo na Casa Civil se denunciado pelo Ministério Público e perderia o posto caso virasse réu pelas mãos do Supremo, portanto está com folga temporária para articular com o Congresso, mas deveria deixar o posto o quanto antes para não contaminar ainda mais o Planalto, se é que isso é possível.

 

* Para Raimundo Colombo e os demais governadores especulados como integrantes das listas de Rodrigo Janot, o melhor seria que o assunto tivesse um esclarecimento, pois ficar nas rodas de apostas e de conversa, sem poder fazer qualquer tipo de defesa prévia, é mais desgastante do que enfrentar a questão de frente, até porque delação precisa ser provada.

 

* Não tenham dúvidas de que a reforma da Previdência será feita à toque de caixa e nem protestos com o marcado para esta quarta, em todo o país devem mudar o cronograma na Câmara, que prevê que os deputados federais têm até esta terça para apresentar emendas à PEC.  

 

* Em época de crise na maioria dos estados é interessante ver que, em Santa Catarina, a Agência de Desenvolvimento Regional de Joinville fará, no dia 17 de março, a abertura de nova licitação para manutenção viária de oito rodovias da região no valor de R$ 539 mil para serviços de fresagem, tapa-buraco e roçada. 

 

* Atenção voltada para Joinville, onde começa, às 10h, desta terça e vai até quinta, o Congresso Catarinense de Municípios, na sua décima quinta edição, na Expoville.

 

* Dentro do mesmo contexto, a Casan anunciará, nesta terça, a retomada de investimentos em duas importantes de esgotamento sanitário e abastecimento de água em São José, na Grande Florianópolis.



Receba Novidades da
Making Of por email! Cadastrar email