Roberto Azevedo

PSDB prega a candidatura ao governo


GIANCARLO BARAÚNA/DIVULGAÇÃO

O governador Marconi Perillo (foto), de Goiás, um dos nomes que concorrem à presidência nacional do PSDB e deve bater chapa com o senador Tasso Jereissati (CE), ouviu do presidente estadual Marcos Vieira, reeleito na convenção do último sábado, que o projeto ao governo do Estado, em 2018, não sofrerá interferência dos caciques em Santa Catarina. Ou seja, os tucanos locais dão a deixa para que a proposta de ter uma candidatura à sucessão de Raimundo Colombo /Eduardo Pinho Moreira não estará em questão na busca pela Presidência da República. Perillo veio pedir apoio e levou um recado que resume bem o espírito do PSDB catarinense.

Esta foi a tônica no encontro que lotou o Encantos Golden Hotel, em São José, onde, durante o revezamento dos discursos, além de elogiar uma unidade que há tempos não se via no ninho, o pano de fundo era uma pré-anunciada disputa pela vaga na chapa, entre o senador Paulo Bauer e o prefeito Napoleão Bernardes, de Blumenau. Mas outros líderes não devem ser desconsiderados, como o próprio Vieira, de olho em uma vaga à majoritária.

 

A lição

O PSDB foi decisivo em pelo menos três das últimas quatro eleições ao governo do Estado. Apoiou o peemedebista Luiz Henrique por duas vezes ao governo (2002 e 2006) e o então demista Raimundo Colombo ao Senado (2006) e na primeira eleição ao governo (2010), vencida no primeiro turno. Agora, os tucanos sugerem uma contrapartida, de PMDB e PSD, por exemplo, que têm pré-candidaturas, bem como do PP, que indicou o vice de Bauer, em 2014.

 

Presentes

O deputado estadual João Amin e o deputado Silvio Dreveck, presidente da Assembleia, passaram pela convenção tucana, no sábado. Mantiveram a coerência, já que Marcos Vieira e outros tucanos graduados haviam passado pela convenção estadual pepista, em agosto passado.

 

Na prática

Nem mesmo o otimismo dos tucanos supera a necessidade de amplas alianças. Partir para o voo solo, no ano que vem, poderia prejudicar um projeto viável. Desta vez, o páreo está mais difícil, pois os tradicionais parceiros - aparentemente divididos, já que a decisão deverá ser formalizada na convenções entre o final de julho e início de agosto – já puseram os times em campo, embora não desconheçam que o PSDB é um parceiro de peso e cobiçável.

 

De saída

O deputado Marcos Vieira que conversar com o deputado Mário Marcondes sobre a desfiliação do PSDB ainda nesta semana de feriado e menos dias de atividade na Assembleia. Vieira chegou a ser surpreendido pela decisão depois que Marcondes teve todo o apoio tucano e concorreu à prefeitura de São José. Perguntado se a ida para o PMDB atrapalharia as conversas para 2018, Vieira afirmou que não pensou nisso e que este assunto tem foro específico, a executiva tucana.

 

Clima ruim

A disputa ao diretório nacional tucano deixou nervosa a convenção do PSDB em São Paulo, berço do PSDB. O questionamento é sobre a permanência de Aécio Neves em uma posição de destaque no comando da sigla, e olha que o senador mineiro, acusado de corrupção, avisa que deve concorrer à majoritária no ano que vem, à reeleição ou ao governo de Minas Gerais. Aécio perdeu a bússola ou está com o GPS quebrado e não percebeu que perdeu-se em meio à crise.

 

ROBERTO AZEVEDO

PRATES FORA DA ELEIÇÃO

O jornalista Luiz Carlos Prates confirma que recebeu vários telefonemas do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à reeleição pelo Movimento Patriotas, e que errou ao permitir que um interlocutor dele pudesse confirmar as conversas. Prates, profissional ímpar em suas análises, o que teria atraído Bolsonaro, não deixará Santa Catarina e a qualidade de vida que tem como morador de Florianópolis. E confessa que o salário o atrairia a seguir uma carreira política, de senador quem sabe, mas ao ser alertado sobre quem ganha melhor são os que se metem em “esquemas”, desistiu de pronto.

 

Nova fase

Luiz Carlos Prates estreia, nesta segunda, na Rede Massa de Televisão, do apresentador Ratinho, afiliada do SBT no Paraná. Isso não significa deixar a Capital catarinense. Prates gravará as participações nos estúdios do SBT  Santa Catarina e manterá sua participação no SBT Meio Dia.

 

DIVULGAÇÃO

POSIÇÃO REPUBLICANA

Todos conhecem a condição de adversário ferrenho do senador Dário Berger com os integrantes do PP catarinense, o que não impede o peemedebista de, como presidente da Comissão Mista de Orçamento do Congresso, manifeste apoio à recomposição dos recursos que o governo federal irá dispor para a área estatal de Assistência Social. Dário recebeu representantes do Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social – CONGEMAS e o Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Assistência Social – FONSEAS, que foram pedir R$ 2 bilhões da peça orçamentária. O senador prometeu fazer gestões junto ao relator geral do orçamento, o deputado Caca Leão (PP-BA), e aos ministros da área econômica para corrigir o que classifica como “terrível equívoco”. Entre os que lideravam o grupo que visitou Dário estavam o secretário estadual de Assistência Social, Trabalho e Habitação Valmir Comin, deputado estadual pelo PP, e o ex-deputado federal Leodegar Tiscoscki.

 

No Estado

O deputado Natalino Lázare,  que desembarca do PR e preside a Comissão de Agricultura da Assembleia, e o presidente estadual do Podemos, Vilson Sandrini Filho, recebem o senador Alvaro Dias, líder nacional do partido e pré-candidato a Presidência da República,  em Santa Catarina. Alvaro tem o primeiro compromisso na manhã desta segunda, a partir das 10h, na Sala de Imprensa da Assembleia.

 

Possesso 1

Não bastasse a divulgação de um vídeo antigo, de eleições passadas em uma conversa com o seus ex-vice Elio Cella, hoje mais uma vez no cargo em Chapecó, o deputado federal João Rodrigues (PSD) ficou enfurecido com as informações divulgadas pelo jornalista Mauricio Lima, da coluna Radar, da Revista Veja. Ele utilizou o posicionamento de João na CPI da JBS contra o empresário Wesley Batista para criticar o parlamentar.

   

Possesso 2

João não gostou de ter dois fatos, mal explicados pelo jornalista, o processo pela licitação de uma retroescavadeira quando era vice-prefeito de Pinhalzinho, ainda em tramitação no STJ e uma condenação por improbidade administrativa por supostamente pintar os prédios públicos de Chapecó com as cores do PFL, do qual recorreu. Atcar Wesley rendeu dor de cabeça para o deputado pessedista. Ou foi gente interessada em desestabilizar os movimentos políticos dele, inclusive a possibilidade de trocar o PSD pelo DEM, ou foi para barrar outros voos maiores à majoritária. Tem todo o jeito de fogo amigo.

 

DIVULGAÇÃO

CATARINENSE NO CONSELHO

O Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional  (CCS) tem um único catarinense, o radiodifusor Ranieri Bertoli, como um de seus integrantes. Recém-empossado no cargo, Ranieri tem um vasto currículo na Associação Catarinense de Emissoras de Rádio Televisão (Acaert), da qual é conselheiro, ex-presidente e atual vice-presidente de relação Governo e Mercado. O CCS tem como atribuição a realização de estudos, pareceres, recomendações e outras solicitações que lhe forem encaminhadas pelo Congresso Nacional a respeito do tema da comunicação social no Brasil, sendo composto por 13 integrantes titulares e 13 suplentes, que cumprirão mandato de dois anos:  três representantes de empresas de rádio, televisão e imprensa escrita; um engenheiro especialista na área de comunicação social; quatro representantes de categorias profissionais e cinco representantes da sociedade civil.



Receba Novidades da
Making Of por email! Cadastrar email