Making Of Roberto Azevedo

Roberto Azevedo

Comprovado o áudio, a Temer só restará a renúncia


Em grave situação, Michel Temer nega as delações de Joesley e Wesley Bartista, da JBS. VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

Os nomes de Joesley e Wesley Batista poderiam ser de uma dupla sertaneja, o visual deles combina com o perfil da década de 1990, ou cantores de sofrência, mas ambos são pessoas poderosas que transformaram o Frigorífico JBS (dono das marcas Swift, Seara e Friboi, entre outras) em uma potência no mercado de carnes internacional movida por muito dinheiro público, vindo do BNDES, em operações sob investigação, e à base de muita subvenção. Gente que tem intimidade com o poder e cresceu, feito boi no pasto, nos 13 anos de governo do PT, Lula e Dilma Rousseff, e privam da amizade do atual inquilino do Palácio do Planalto, o peemedebista Michel Temer (PMDB), que deve sofrer todas as consequências de uma conversa, supostamente gravada por Joesley, em março passado, em Brasília, de acordo com o colunista Lauro Jardim, de O Globo. As delações ainda não foram homologadas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal. Em outra gravação, ainda segundo Lauro Jardim, Joesley teria dito a Temer que estava dando ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao operador Luciano Funaro uma mesada para permanecerem calados na prisão, ao que Temer teria respondido: "Tem que manter isso, viu?"  

A confirmação do conteúdo com o pedido para pagar pelo silêncio de Cunha exige que Temer pratique o gesto que Dilma não teve e renuncie ao mandato para não mergulhar o país em outra crise sem fim, um calvário que nos tira a condição primária de recuperação da economia. A outra opção será o Tribunal Superior Eleitoral cassar a chapa Dilma-Temer e por um fim nas lamúrias, na sessão marcada para 8 de junho. A autenticidade dos áudios, que têm conteúdo explosivo, seria um passo a mais, já que o dinheiro da propina, passado para o operador de Temer, o ex-assessor mais próximo e agora agora deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) - que assumiu uma cadeira na Câmara com a ida de Osmar Serraglio para o Ministério da Justiça -, foi rastreado e gravado em vídeo pela Polícia Federal.

 

A seguir

Não há saída além da Constituição, com eleição indireta pelo Congresso, enquanto a oposição ao atual governo, em ocaso, bradará por eleições diretas para ver Lula, o dito favorito, em condição de retornar ao Planalto, com a marca da corrupção na testa e antes que seja alcançado pelo Judiciário. Temos, mais uma vez, diante deste embate, o roto a falar do descosido. Saímos como entramos nesta trágica história da vida política brasileira, derrotados! Prestes a termos o terceiro presidente da República em um lapso de pouco mais de um ano. Os pilares da República estão rachados e um novo processo de impeachment agravaria as crises política e econômica. 

 

Matemática

O PT poderá passar para a história como a única sigla no planeta que conseguiu o impeachment de dois presidentes da República oriundos de uma única chapa. Imbatível! 

 

A nota oficial de Temer

 

NOTA À IMPRENSA

O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar.

O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República.

O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados.

SECRETARIA ESPECIAL DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA 

 

E o Aécio

O pedido de R$ 2 milhões em propina por parte do senador Aécio Neves (MG), presidente nacional do PSDB, que foi parar na mão do senador Zeze Perrella (PSDB-MG), põe uma pá de cal na já desgatada imagem do ex-candidato à Presidência da República, o oponente de Dilma, em 2014. E com a entrega do dinheiro a Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, e filmada pela Polícia Federal (PF), em uma operação rastreada pela PF, que gravou o momento do repasse, há forte derrota para os tucanos, maiores avalistas da administração Temer. 

 

DIVULGAÇÃO

OS "FREEBOYS" POR AQUI

Não se esqueça que tudo que Wesley (à esquerda) e Joesley Batista disserem pode ter respingos em Santa Catarina se acrescentarem algum traço de caixa dois. Por enquanto, figuram como os maiores doadores oficiais de campanha de reeleição do governador Raimundo Colombo e de vários deputados, entre eles o pré-candidato ao governo Gelson Merisio (PSD).

 

Nada a comemorar 

Partidários e simpatizantes da tese do golpe para derrubar Dilma Rousseff nada tem a comemorar. A dupla do JBS detonou a relação com o governo petista e negociava diretamente a propina com o ex-ministro Guido Mantega (Planejamento e Fazenda) nos governos de Lula e Dilma.    

 

Para não esquecer

Delatores são réus confessos, dispostos a qualquer custo e forma baixar as penas e pagar multas altíssimas pelo dinheiro público que desviaram. Joesley e Wesley Batista estão nesta categoria e já estavam na mira da Polícia e da Receita Federal em três outros episódios: nas operações Zelotes e Carne Fraca, mais as suspeitas operações de crédito no BNDES. 



Receba Novidades da
Making Of por email! Cadastrar email