Onze Ag - Topo Multimídia

Multimídia

Por que nem todos estão felizes com o negócio de Neymar?


(Christian Hartmann/Reuters)

É verdade que nem sempre desejamos a felicidade do próximo? Isso acontece na vida real, sim, mas convenhamos que não é praxe para as pessoas de bem.

A inveja é uma das forças negativas ressurgidas no dia-dia, estimulada por certas mensagens nas redes sociais? Sim, o Facebook, por exemplo, estimula muitas exposições exageradas e irreais, provocando reações assim.

Será por isso, entre outras coisas, que nem todos estão felizes com a maior negociação do futebol envolvendo Neymar, Paris Saint Germain e Barcelona?
Provavelmente um pouquinho.

O fato mesmo é que entre os sentimentos da maioria está um certo preconceito com o nosso melhor jogador, um garoto que já foi pobre na periferia e ousado em campo, que namora belas mulheres, curte a vida e tem um pai ambicioso com o mesmo nome. Neymar nem sabe o dinheiro que tem e é visível, curte é jogar futebol, por enquanto.

Esse é o motivo também das restrições ao negócio? Depois da goleada de 7 a 1 para  Alemanha nosso amor próprio decaiu e não conseguimos imaginar que depois do fracasso algum jogador brasileiro possa participar do maior negócio da história do futebol. Tite ainda não nos tirou do purgatório.

O fato é que a felicidade de Neymar incomoda e a ambição do pai também. Saiu do Santos fazendo um negócio escuso com o Barcelona e agora sai de lá pagando uma multa que colocaria em dia todos os salários dos jogadores brasileiros por vários anos.

Enquanto isso, aqui no Brasileirão, grande parte dos jogos são peladas. Os juízes são questionados em todas as rodadas e no dia-a-dia, com raras exceções, vemos a má qualidade e falta de educação esportiva . Grande parte do tempo o jogador simula a falta e reclama de qualquer coisa.

Nosso comportamento está na idade da pedra lascada, enquanto Neymar nada em dinheiro.

Sem falar no momento que vive o povo brasileiro, 14 milhões de desempregados, inflação real fajuta e corrupção em todos os níveis da sociedade.

Lá fora, fugindo disso, um atleta franzino e de cabelo mal resolvido, se envolve em um negócio superior a 800 milhões de reais e vira notícia mundial. É obvio que Neymar não está errado e não tem culpa de nada. O que ele fez foi aceitar o conselho de sair do Brasil para se tornar o novo rei do futebol. Aqui ficaram só os reis do baralho.

Claiton Selistre é jornalista.



Receba Novidades da
Making Of por email! Cadastrar email