Cine&Séries

Uma série a ser descoberta




Fora de série

TABOO (BBC – 1 temporada – 8 episódios – 2017)

É injusta a pouca repercussão que o lançamento de "Taboo" teve no Brasil. A série tem coprodução de ninguém menos que Ridley Scott ( diretor de "Blade Runner") juntamente com o ator britânico Tom Hardy, que vive o protagonista, James Delaney. Tom também assina o roteiro junto com o pai, Edward Hardy.

 Delaney é um aventureiro dado como morto que retorna da África para Londres depois de 12 anos. Sua volta choca a comunidade, a família e até os aliados. Ele vem trazendo na bagagem, além de uma coleção ilegal de diamantes, a sede de vingança pela misteriosa morte do pai. O drama se passa em 1814 e mistura política, amor, ódio, traição, magia negra e incesto. O resultado é uma série impactante, intensa e diferente de outras  películas de época inglesas. James Delaney não é o lorde elegante que costumamos ver nas telas, mas um homem bruto, obsessivo e, às vezes, muito violento.

Tudo piora quando Delaney herda do pai o mais importante território para os interesses comerciais do Reino Unido e Estados Unidos e se recusa a vendê-lo. Sua intenção é construir um império naval com o dinheiro dos diamantes e assim vingar o pai. Por se recusar a abrir mão do território, Delaney tem que enfrentar todas as artimanhas e ilegalidades cometidas pela poderosa Companhia das Índias Orientais. Os caras são tão fdp que ficamos ao lado de James. O clima denso e sombrio da série é envolvente e atiça nossa curiosidade sobre os tantos mistérios.

 A 1ª temporada está disponível no Fox Premium/Now/Net e tem um desfecho, como se fosse uma minissérie. Mas a BBC e FX renovaram para uma segunda temporada. Bom para Tom Hardy que entrou de cabeça nesse projeto e para nós que teremos a chance de continuar vendo uma série de qualidade.

------------------------------------------------

Especial

Antes do filme, o cartaz!

Uma notícia surpreendeu muita gente há alguns dias: o cartaz original de "Drácula" (1931), criado por Tod Browning, foi arrematado em um leilão pela quantia de US$ 525,8 mil. A imagem do filme da Universal Pictures se tornou o pôster mais caro já vendido. O recorde era dos cartazes de "Casablanca" (1942), de Michael Curtiz e "Vampiros da Meia Noite" (1927) também de Browning. Aliás, os que atingem valores mais altos são os filmes de monstros. Dos 15 posters mais valiosos, 12 são do gênero terror, incluindo " Frankenstein"e "A Múmia".

O site Paste Magazine, especializado em listas de melhores músicas, melhores filmes, livros etc...elencou os 100 melhores cartazes da história do Cinema . Entre eles está justamente o de "Drácula".  A maioria é de filmes antigos, talvez porque os estúdios investissem mais. Hoje há fórmulas padronizadas na computação gráfica, como vamos ver mais adiante.  Alguns dos cartazes que constam da lista do Paste Magazine:

O Garoto

E o Vento Levou

La Dolce Vita

O Silêncio dos Inocentes

Os clichês

O cartaz  era pensado e realizado para ilustrar o eixo da história de cada filme. A gente já começava a "viagem" no pôster. De alguns anos para cá, salvo honrosas exceções, os cartazes parecem produzidos em série. O blogger francês Christophe Courtois  fez uma montagem com cada tipo e provou que nessa área "nada se cria, nada se perde, tudo se transforma", como disse o químico conterrâneo dele, Antoine Lavoisier, no século 18, referindo-se à Natureza.

Então, vejamos: um grande olho já ilustrou centenas de filmes de terror ( "O Boneco Assassino", " Godzila"...); casais de costas um para outro, fotografados na lateral (de "Pretty Woman" a "Como perder um homem em 10 dias"...), reflexos na lente espelhada dos óculos do protagonista ( de "Matrix" a "Quase Famosos"...) e por aí vai.

Hoje é fácil comprar o pôster de seu filme favorito. Há sites especializados em vender quase todos os cartazes de filmes importantes pela internet. São cópias, óbvio, e por isso custam alguns dólares/reais e não milhares como os originais. Mas, antes um cinéfilo era capaz de "matar" por um cartaz. Lembro da minha empolgação quando comprei em uma feira de antiguidades o cartaz importado de "Beyond the Forest" ( A Filha de Satanás), de 1949, dirigido por King Vidor, com Bette Davis. Era da coleção pessoal de Tuio Becker, grande crítico gaúcho de cinema.

No Brasil

Artistas brasileiros também criaram belos cartazes. Um dos mais famosos é do filme de Glauber Rocha, "Deus e o Diabo na Terra do Sol", do baiano Rogério Duarte, de 1964. O pôster é considerado um marco no design nacional. A figura do cangaceiro Corisco  com o rosto dividido por um punhal, onde de um lado há luz e de outro sombras, enquanto o sol forte do Nordeste reflete no chapéu, fez sucesso até na Europa.

Outro exemplo: o pôster impactante de "Carandiru" criado por Marcelo Pallota, em 2003,  para o filme de Hector Babenco.

------------------------------------------------

O LIVRO QUE VIROU FILME

Já não lembro com certeza se li o livro antes de ver o filme, mas creio que sim. O britânico Winston Graham escreveu a história de Marnie, uma cleptomaníaca que muda de cidade e de nome a cada roubo, em 1961. Mas a bela e elegante Marnie não rouba batons em lojas. Ela se emprega como secretária em grandes empresas para roubá-las. Em um novo emprego, Marnie conhece o empresário Mark Ruthland, que logo percebe que a eficiente funcionária guarda um segredo. Ele vê Marnie pegar o dinheiro no cofre da empresa e, entre intrigado e apaixonado , repõe o valor para que ela não seja presa. De vítima em potencial Mark se torna o algoz de Marnie e a obriga a casar com ele.

Na lua de mel, ela repele o marido e demonstra pavor a qualquer contato sexual. A única coisa que ela parece amar no mundo é o seu cavalo Folio. Mark começa a ler livros sobre traumas que causam frigidez e cleptomania para tentar entender a cabeça da amada. Enquanto isso, Marnie enfrenta os ciúmes da cunhada de Mark, irmã da primeira mulher dele que morreu. A jovem também percebe que há algo errado no casamento deles e a coisa se complica.

Com o passar do tempo, Mark vai desvendando o mistério da vida de Marnie até chegar ao desfecho que é melhor não contar aqui.

Para quem tiver interesse e não encontrar o livro em catálogo há boas ofertas em sebos virtuais , onde o preço varia de 5 a 20 reais.

Marnie – Confissões de uma ladra, o filme

Posso não lembrar se li o livro antes ou depois, mas não esqueço do prazer que o filme dirigido por Alfred Hitchcock me causou. Pode não ser o mais famoso dele, mas é muito bom. Se mais não fosse, jamais esqueceria aquela força da natureza chamada Sean Connery no papel de Mark Ruthland. O personagem é o meu "complexo de Cecília" ( veja " A Rosa Púrpura do Cairo" , de Woody Allen, para entender).

O filme é bastante fiel ao livro, mas tem a marca de Hitchcock, claro. As cenas em que Marnie tem visões do passado em flashes e fica transtornada são filmadas de forma contundente, com a forte trilha sonora pontuando. Isso é bem Hitch.

O papel título ficou com Tippi Hedren, mais uma loira, fetiche do mestre do suspense.  Tippi sobreviveu à Marnie, mas quase sucumbiu aos maus tratos e obsessão de Hitchcock no filme seguinte, "Os Pássaros", de 1963. A história é contada no filme " A Garota" (2012).

A história é tão filmável que não sei como Hollywood ainda não fez um remake com atores atuais, mas vou falar baixinho para não dar ideias de mexerem no que é bom. Ah, e papel de Mark Ruthland deveria ser tombado como patrimônio artístico: depois de Sean Connery fica proibido mais alguém interpretá-lo.

------------------------------------------------

PIPOCA NEWS

09/dezembro – 16 h – Cineclube da Mostra de Cinema Infantil – CIC-Centro Integrado de Cultura – entrada gratuita. Bóra lá levar os cinéfilhinhos ?!!

Curtas Brasileiros

Lápis cor de pele 

Sinopse: Isadora precisava de um lápis de cor de pele, Luísa foi buscar. Na volta, conversam sobre o que é cor e o que é pele. 

Mãos de vento e olhos de dentro

SinopseA amizade entre Lia, uma menina cega, e Tico, um menino solitário e cheio de imaginação. Os dois brincam de "ver" desenhos em nuvens e embarcam numa viagem de aventura .

A Velha a Fiar 

Sinopse: Filme realizado em oficina com professores do projeto Correio Escola. Clipe em desenho animado da canção folclórica A Velha a Fiar.

Garoto Barba 

SinopseFábula sobre uma criança que, devido a uma rara doença, tem barba. Felipe gosta de ser como é, mas se sente deslocado porque as outras pessoas costumam olhar para ele de forma diferente.

Procura-se 

SinopseCamile fará de tudo para encontrar seu cachorro perdido. O que ela não sabe é que essa será a maior aventura de sua vida.

------------------------------------------------

CINE DARMA

O Cineclube da Fundação Cultural Badesc, centro de Florinópolis, vai exibir filmes com temática budista em 11 e 12 de dezembro. Serão dois filmes diferentes em sessões consecutivas a cada dia. A entrada é gratuita.

Dia 11, segunda-feira

​17h- Quando o pássaro de ferro voar

(When the iron bird flies) de Victress Hitchcock, EUA/Índia/Nepal, 2012. 96min. Documentário. 12 anos.

Retrato da manifestação do budismo no ocidente após a invasão chinesa no Tibete em 1959, desde as cavernas do Tibete à cultura mainstream.

19h-Viajantes e mágicos

(Travellers and magicians) de Khyentse Norbu. Butão. 2003. 108 min. Aventura. Livre. Com Tshewang Dendup, Lhakpa Dorji e Sonam Lhamo.

Dondup é um jovem funcionário do correio que vive num vilarejo no Butão e sonha com a vida no ocidente.

Dia 12, terça-feira

17hPalavras do meu professor perfeito

(Words of my perfect teacher) de Lesley Anne Patten. RU/Alemanha/Butão. 2003. 103min. Documentário. Livre.

Três estudantes em busca de sabedoria envolvem-se com um professor que os desafia a "acordar" de maneira pouco convencional.

19h-Samsara

de Ron Fricke. EUA. 2011. 102 min.  Documentário. 14 anos.

Conexões entre a humanidade e natureza representadas por meio de imagens de rituais sagrados, maravilhas da natureza e zonas de desastre, assumindo a forma de uma meditação não verbal.

------------------------------------------------

Cinema nos bairros

Até o dia 17 de dezembro, 20 comunidades de Florianópolis vão receber de forma gratuita a exibição de filmes do Projeto Cinema nos Bairros ( circuito "Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis"). As próximas serão no Mont Serrat, Lagoa da Conceição, Estreito, Costeira, Rio Vermelho, Ratones, Ponta das Canas, Ribeirão, respectivamente nos dias 5,6,7,8 (14h30) 9,10 (16h),11 e 12/12 (14h30).

O Circuito é patrocinado pelo Fundo Nacional da Cultura do Governo Federal, realizado pela Prefeitura de Florianópolis (Secretaria Municipal de Cultura, Fundação Cultural Franklin Cascaes e Ministério da Cultura). O projeto Cinema nos Bairros tem o apoio do FUNCINE que cederá os equipamentos de projeção.

------------------------------------------------

BEIJO DE CINEMA

Um beijo é sempre bom de se ver no cinema ? Até agora achava que havia algumas exceções, mas nada tão profundamente repugnante como em "O Demônio de Neon" que assisti há poucos dias. O filme mostra uma jovem (Elle Fanning) recém chegada a Los Angeles para tentar a carreira de modelo. A direção é do dinamarquês Nicolas Windinf Refn ( Drive) que pega os clichês do mundo da moda – competição, pressão, obsessão pela juventude, magreza e beleza – e os eleva à enésima potência, usando alegorias não tão metafóricas assim, digamos. Ele mostra, sem sutileza, desde o canibalismo até a cena de necrofilia entre uma maquiadora e o cadáver da mulher que ela está arrumando. "O Demônio de Neon" foi vaiado e aplaudido na mesma medida no Festival de Cannes de 2016. Para alguns críticos ele é sensacional, virou cult; para outros há muita forma e pouco conteúdo. Não sou crítica de Cinema, mas sou obrigada a concordar que a obra é demasiado "estilosa", talvez para reforçar que é um cinema autoral.

Não sou moralista quando se trata de Cinema, mas quando sinto cheiro de "o que eu podia fazer para chocar o público que ainda não tenha sido feito?" tendo a rejeitar a obra."O Demônio de Neon" me desagradou não por ser indigesto, mas por ser forçado. Vocês acham que depois de tudo isso vou mostrar aqui o beijo necrófilo? Na,na,ni,na,não ! Quem for forte que assista o filme e tire suas próprias conclusões.

Então que raios de beijo a coluna vai mostrar ?  Um beijo que não é repugnante, só é um pouco estranho. A versão original de "O Planeta dos Macacos", de 1968, é ótima. O desfecho é dos mais surpreendentes da história do Cinema.

Enfim, chegamos ao beijo, um "selinho" na verdade. É a despedida entre o Coronel Taylor ( Charlton Heston) e a Dra.Zira ( a macaca cientista), o  provoca um ciuminho no namorado dela, o macaco Cornelius.

  

Apesar de estranha, mantiveram a cena no remake  de " Planeta dos Macacos"de 2001. Desta vez o beijoqueiro foi Mark Wahlberg.

------------------------------------------------

Frases de Cinema

HASTA LA VISTA, BABY !

Ele já apareceu inúmeras vezes na tela. De  filmes de terror a comédias, passando pelo drama de fundo filosófico, fábulas, suspense, lá está ele para mostrar sua versatilidade até no nome: o capeta, demônio, satanás, belzebu ou , no básico, o diabo.

O dito cujo aparece nos ótimos" O Coração Satânico"( 1987), de Alan Parker; " O Bebê de Rosemary" ( 1968) de Roman Polanski e "A Profecia" (1976), por exemplo. Nem sempre ele teve uma  identidade visual, às vezes, era só a presença sutil de algo maligno, uma sombra...Ele amedrontou, mas também fez rir, como em " A Repossuída", com o impagável Leslie Nielsen. A comédia é uma paródia do icônico "O Exorcista", um filme que hoje pode ser considerado pueril, mas  em 1973 anos causou MUITO medo na plateia. Lembro de duas coisas da estreia: da longuíssima fila para comprar os ingressos e de ter dormido de luz acesa naquela noite!

Bem, mas as frases desta edição vêm de um filme que mesmo não sendo uma obra-prima tem um público cativo e virou quase cult : "O Advogado do Diabo" ( 1997). O diálogo se dá entre o própriodemo que usa a identidade de John Milton, interpretado brilhantemente por Al Pacino, e o filho rebelde Kevin Lomax, vivido por Keanu Reeves. Nele, o pai tenta convencer Kevin a escolher o seu lado, contrapondo-se a um Deus que ele acusa de ausente e gozador porque "dá instintos ao Homem, mas cria regras contrárias: pode olhar, mas não tocar; pode tocar mas não provar; pode provar mas não engolir...". Depois, discorre sobre suas próprias qualidades e o quanto ele é mais condescendente que o Criador.

Kevin Lomax: É melhor reinar no inferno do que servir no Céu, não é?

John Milton: Por que não? Estou com meu focinho nesse chão desde que tudo começou! Eu nutri cada sensação que o Homem foi inspirado a ter. Eu me preocupei com os seus desejos e nunca o julguei. Por que? Porque eu jamais o rejeitei, apesar de suas imperfeições.

Eu sou um fã do Homem! Eu sou um humanista. Talvez o último humanista. Quem em sã consciência poderia negar que o século XX foi inteiro meu? O século todo, Kevin! Todo meu! Estou no topo. É a minha vez agora. É a nossa vez."

É improvável que quem gosta de Cinema ainda não tenha visto " O Advogado do Diabo", reprisado à exaustão na TV. Mas , se não viu, e não sabe se Kevin se deixa seduzir pela capacidade retórica do "pai", não sou eu que vou contar. Veja o filme e descubra ! J

Nota-pé: Não posso deixar de destacar outra frase lapidar do senhor das trevas. Dá para entender o porquê de sua preferência...

"Vaidade é definitivamente meu pecado favorito".

------------------------------------------------

Mens@agem para você

De : Anselmo Prada

Olá , Brigida. Suas observações sobre o cinema são únicas e me remetem ao universo do pensar e transformar com a arte em todos os tempos. Um beijo de seu fã e amigo de universo.

Obrigada, querido. Lembro sempre dos nossos longos papos sobre Cinema e sobre a vida. E quantas vezes eu avisava: não me conta o fim do filme, não me conta o fim do filme...hahaha. Beijo grande.

***

De: Biaguiar

Me interessei muito por Lição de Tango. Será que ainda acho? Onde?

Em tempos de internet tudo é "achável". Tem sites para baixar quase qualquer coisa, como o Subsmovies. Outra dica é a distribuidora Versátil que tem o melhor acervo de DVDs e blue rays do país. Se assistir, depois conta aqui o que achou do filme da Sally Potter.

------------------------------------------------

Sobre a colunista:

Brígida De Poli é jornalista. Cinéfila desde criancinha, converteu-se às manias das séries depois de assistir a "Os Sopranos". Não se considera crítica de Cinema, apenas alguém que gosta de compartilhar ideias sobre a sétima arte.



Receba Novidades da
Making Of por email! Cadastrar email