Cine&Séries

Lo mejor del Cine argentino




Fora de Série

UM GALO PARA ESCULÁPIO ( 2017 – Argentina – Canal TNT Séries)

Esqueça a ostentação de Puerto Madero, os bares chics de Palermo, o charme do Teatro Colón...Na série "Um Galo para Esculápio", você vai conhecer uma Buenos Aires diferente dos pontos turísticos que costuma visitar. A periferia, pobreza, sujeira nas ruas, pequenos comerciantes se virando como dá, é o que o jovem Nelson encontra quando chega de Missiones à capital.  Na bagagem carrega apenas umas poucas roupas, um celular, um salame e... Van Dan, um galo de rinha. Os problemas de Nelson começam mal desce de ônibus: seu irmão Roque não está esperando por ele, um grupo de jovens arruaceiros roubam seu celular e nele os contatos com a única pessoa que conhece na cidade grande.

Enquanto busca pelo irmão, Nelson vai conhecendo transgressores, ladrões e o mundo das rinhas. Van Dan mostra que é um galo bom de briga, assim como o próprio Nelson que parece um caipira ingênuo, mas tem seus momentos de fúria. Ele cai nas graças de Esculápio, líder da quadrilha de roubo de cargas, um apaixonado pelas rinhas de galos. El jefe não é o vilão tradicional, ama as palavras e detesta as gírias que a nova geração de subordinados utiliza. " Por que hablas así, no compreendo?!", diz Esculápio, capaz de perder o sono procurando a expressão ideal para definir Nelson: tenaz ! E issoel pibe de Missiones é mesmo. Ele não arreda pé da cidade e chama pelo hermano até em faixa de avião. Aos poucos vai descobrindo que Roque aprontou com todos, endividou-se, matou um homem e abandonou a mulher com quem vivia nas mãos de seus credores. Mas segue buscando-o, escondendo que é irmão dele, já que todo mundo, inclusive Esculápio, quer a "cabeça" de Roque. Nos intervalos, Van Dan briga e Nelson, com seu rostinho de bom moço, se dá bem com as mulheres .  O elenco, pouco conhecido do público brasileiro, é simplesmente formidável.

A linguagem dos personagens periféricos é a mais vulgar possível, uma verdadeira aula de palavrões em espanhol, si es que me entiendes, pelotudo!  Vale !

Obs.: Há outra série argentina nova no TNT Séries, "A Fragilidade dos Corpos". Uma jornalista investiga as mortes de garotos nos trilhos dos trens. Por enquanto vi os primeiros episódios. É muito inferior a "Um Galo para Esculápio", a começar pelas interpretações. A ver.

--------------------------------------------------------------------

Especial

CINEMA ARGENTINO

Costumo dizer que os argentinos são ainda melhores de cinema do que são de futebol. Exageros à parte, os nossos vizinhos mandam bem em quantidade e qualidade quando o assunto é filmes. Não é de hoje, mas nas últimas década houve uma efervescência na área cinematográfica. Algo similar ocorreu no Brasil. Selecionei alguns bons filmes argentinos e percebi que a maioria é de 2000 para cá. Não vamos tentar aqui analisar os motivos desse boom, pois é estudo para comunicólogos, sociólogos e envolve a política cultural de cada país/governo. Sem mais blábláblá, aqui algunas de las películas argentinas que más me gustan.

 

O Segredo dos seus Olhos ( 2009)

Não tem como fugir de abrir com o maior sucesso internacional do cinema argentino. Ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro (2010) e mais um monte de outros prêmios, "El Secreto de sus ojos"" é a 4ª parceria entre o diretor Juan José Campanella e o astro maior da cinematografia argentina, Ricardo Darin. Apesar de uma certa "invejinha", reconheço: o filme é ótimo. Mais que uma película policial é uma história de suspense e amor não banal, triste e  com final surpreendente.

Hollywood gostou tanto que resolveu fazer um remake, com Julia Roberts e Nicole Kidman, lançado em 2015. Quem acompanha a coluna sabe o que eu penso disso: para que refilmar o que é perfeito ? ( ah, tá, os americanos não gostam de ler legendas, eu sei...). No Brasil, ganhou o título "nada a ver" de "Olhos da Justiça". 

 

A História Oficial ( 1985)

Se vocês pensam que os argentinos têm só um Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, se enganaram. Vinte e quatro anos antes de "O Segredo dos Seus Olhos", a história de uma mulher que desconfia que sua filha adotiva é um dos bebês sequestrados durante a ditadura militar ganhou o Oscar e outros grandes prêmios internacionais. "A História Oficial" começou a ser rodada em 1983, ano em que terminou a ditadura naquele país, e foi mantido em sigilo até 1985 por questões de segurança. A atriz que interpreta a mãe adotiva é Norma Aleandro, uma espécie de Fernanda Montenegro dos nossos vizinhos. Norma foi premiadíssima pelo papel.

 

Medianeras (2011)

Gosto demais desse filme! É um daqueles que vai ficando melhor aos pouquinhos e quando você vê está completamente envolvido. Bueno, vamos começar pelo título: medianeras são aquelas paredes laterais sem janelas de edifícios altos. Uma bela metáfora para a incomunicabilidade do mundo moderno , onde o contato virtual pode ser a chave para a vida "lá fora".  A linha de apoio do título já entrega o jogo: " Buenos Aires na Era do Amor Virtual". A história é urbana, jovem, atual, e a linguagem cinematográfica segue esse caminho. Martin e Mariana vivem na frente do computador no sentido literal do verbo. Não se conhecem pessoalmente, se cruzam na rua sem saber quem são, trocam confidências via internet. Cada qual com suas dores, vão se encontrando nesse mundão de "paredes cegas", onde é preciso abrir uma janelinha, mesmo que contrariando as leis. "Medianeras" foi a bela estreia de Gustavo Taretto na direção. Ah, como é bom ver um filme tan rico!

 

Relatos Selvagens (2014)

Como todo o filme episódico há histórias melhores que as outras. No caso são seis, todas mostrando aquele "dia de fúria" pelo qual quase todos nós já passamos. No filme, isso pode acontecer numa estrada, na festa de casamento, numa viagem de avião ou – quem nunca ? – ao enfrentar a insana burocracia do Estado. Ricardo Darín ( ó, surpresa!) vive um cidadão comum que surta quando tenta resolver um problema de trânsito. 

 

Um Conto Chinês (2011)

Sabe aquele filme "redondinho"? "Um Conto Chinês" é assim: chega, conta uma história graciosa com começo, meio e fim, sem sobras, e surpreende no final. Ricardo Darín ( ééé??!!) é um cidadão pacato, melancólico, mal humorado, que tem uma pequena loja de ferragens. Segue uma rotina imutável, dorme na mesma hora, coleciona bichinhos de vidro que a mãe adorava e foge do contato humano. Tudo nos conformes até que seu caminho cruza com um jovem chinês, perdido em Buenos Aires, sem falar espanhol  e nem ter para onde ir. E mais não falo, pois se você ainda não viu, melhor conferir essa história singela e bem filmada.

 

Leonera e Abutres ( 2009  e 2011)

Juntei esses dois filmes por serem do mesmo diretor, Pablo Trapero, e terem temas fortes. Leoneraconta a história de uma mulher acusada de assassinato que vai ter seu bebê em uma ala especial da prisão. A lei diz que a criança só pode ficar com a mãe até os 4 anos. A maternidade e a convivência com as companheiras de confinamento transformam essa mulher. Trapero é um dos mais importantes cineastas argentinos da atualidade. Abutres (Carancho, no original) vi em um cinema de Buenos Aires, enfrentando valentemente as dúvidas com as gírias locais. Depois, revi legendado no Brasil. Ricardo Darín ( jura?!) interpreta um advogado ligado à máfia dos seguros. Ele é um "urubu", um "abutre", que ronda a desgraça alheia. Numa dessas investidas, conhece a médica plantonista da emergência, tão infeliz e melancólica quanto ele. Suspense, romance, violência e um final...bem, assista e descubra.

 

 

Outros tantos

 "O Filho da Noiva", "Nove Rainhas", "Clube da Lua" ( nem vou dizer esses três com quem...), "Sur", "O Homem ao Lado", "O Abraço Partido", "Valentin", "Elza&Fred", "Lugares Comuns", "O Cachorro", "Dois Irmãos", " O Clã"... só para citar alguns. Ojalá, se mantenha o incentivo e o interesse na sétima arte também nesses "novos" tempos políticos na Argentina. Não se pode desperdiçar tanto talento para a sétima arte.

Boa notícia : quem não viu ou quer rever muitos desses filmes estão na programação de janeiro do Cineclube da Fundação Cultural Badesc-centro de Florianópolis. Leia na seção "Em Cartaz" !

-----------------------------------------------------------------------

O LIVRO QUE VIROU FILME

Plata Quemada/Dinheiro Queimado ( 1995/1998) –

O livro de Ricardo Piglia (foto), um dos mais importantes escritores argentinos contemporâneos, morto em 2017, parte da história real do assalto a um carro forte em 1965. O acordo era os bandidos dividirem o dinheiro com policiais e políticos corruptos em troca de segurança, mas decidem ficar com todo o produto do roubo.  A polícia não deixa barato e persegue os traidores com todas as armas de que dispõe. O autor pesquisou documentos confidenciais para escrever a história que resultou num romance policial com muito suspense e violência.

Plata Quemada, o filme

O romance  de Piglia virou filme no ano 2000 pelas mãos do diretor Marcelo Piñeyro. Dois atores que hoje estão entre os principais do cinema argentino interpretam a dupla de assaltantes que mantém uma relação de cumplicidade e erotismo, Leonardo Sbaraglia (El Nene) e Eduardo Noriega (Angel). O filme segue o ritmo frenético do livro, mostrando a fuga dos criminosos para o Uruguai onde aguardam papéis para se esconder no Brasil. As ousadas cenas de sexo e o massacre fazem de "Plata Quemada" um filme forte, mas não apelativo. A fotografia, música, o elenco, tudo funciona de forma realista e impactante.

 

----------------------------------------------------------------------

EM CARTAZ

Cineclube da Fundação Cultural Badesc (Florianópolis-centro) programou alguns dos filmes argentinos mais marcantes dos últimos anos para o mês de janeiro. Sessões às 19h.  É Cinema bom e de graça!

Dia 10/01 – Relatos Selvagens ( leia no Especial)

Dia 17/01 – Dois Irmãos  (2009) -  com a morte da mãe, irmão e irmã já de meia idade, têm que se entender. Ele, o filho atencioso que cuidava de mamã, ela decidida e um pouco trambiqueira. A hermana acaba vendendo o apartamento e vão morar no Uruguai. O filme de Daniel Burman é delicado e sensível, mas o humor também está presente.

Dia 24/01 – O Clã (2015) – dirigido por Pablo Trapero, de quem já falei no Especial, esse filme conta a história terrível e real de uma família- aparentemente normal - que sequestrou e matou várias pessoas em Buenos Aires nos anos 80 . O papel do pai e líder da quadrilha coube a Guillermo Francella, o ator mais popular da Argentina  depois de, claro, Ricardo Darín !!

Dia 31/01 – Um Conto Chinês (2011) – já falei dessa graça de filme no Especial.

---------------------

Cinema do CIC-Centro Integrado de Cultura – Florianópolis

Outro vizinho, o Paraguai, também faz cinema. O cinema do CIC exibe, com entrada gratuita, o filme "Guarani" (2015), de 11 a 14/01, às 20 horas.

Sinopse : Atilio é paraguaio e leva uma vida tranquila morando com uma filha nas margens de um grande rio. Seu maior sonho é ter um neto homem para poder transmitir a cultura guaraní, ensinar a sua língua e a pescar. Um dia, ao descobrir através de carta que outra filha que vive na Argentina será a mãe de menino, Atílio toma uma atitude corajosa: decide viajar mais de 1000km para convencê-la a dar à luz em casa.

---------------------------------------------------------------------

É COISA NOSSA

É coisa nossa fazer parceria com os países vizinhos para produzir filmes. Desde de 2005 foram mais de vinte coproduções Brasil-Argentina. Um de que gosto muito é "Olhos Azuis" (2010). O diretor José Joffily parte da história do chefe de Imigração do Aeroporto JFK, em Nova York, que em seu último dia antes da aposentadoria resolve complicar a vida de latino-americanos que tentam entrar nos EUA. Há uma grave consequência disso e ele acaba vindo para o Brasil em busca de redenção. O ator americano David Rasche é o protagonista. Curioso: nunca o vi tão bem em um papel como nesse filme brasileiro! O elenco reúne brasileiros, argentinos e atores de outras nacionalidades. Acho que "Olhos Azuis" não teve o reconhecimento merecido, mas ainda é tempo de ver no Canal Brasil/Net.

O mais recente é "La Vingança" (2017), que ainda não assisti. A mistura do espanhol com português no título já dá o tom: as relações entre argentinos e brasileiros. Dois amigos viajam para Buenos Aires com intenção de "pegar" todas as argentinas que puderem. É a vingança pretendida por um deles ter encontrado a namorada na cama com um argentino. Vão num Opala velho, o que torna o filme uma espécie de road movie. Vão se dar bem ? Adivinha !

---------------------------------------------------------------------

BESOS DE CINEMA

Não contei quantas, mas o nome dele apareceu inúmeras vezes nesta edição. Ricardo Darín é o maior astro da história do Cinema argentino. Ponto. 

Aqui, o quase-beijo de "O Segredo dos seus Olhos", aliás, nessa cena os olhos não só falam, beijam também.

         

Darín mandando besitos para os leitores da Cine& Séries...rsrs...

----------------------------------------------------------------------

HASTA LA VISTA, BABY!

Frases de Cinema

" A História é a memória dos povos". ( frase que abre " La Historia Oficial")

"As pessoas podem mudar tudo: de cara, de casa, de família... namorada, religião, de Deus... Mas há uma coisa que não se pode mudar, Benjamín. Não se pode trocar de paixão". ( "O Segredo dos seus Olhos")

"É, eu sei, eu só achei estranho o jeito com que ele olhava para ela. Acho que foi isso. Você vê o cara olhando para aquela mulher, com adoração. Os olhos... falam. Os olhos falam demais, deviam se calar". ( "O Segredo dos seus olhos")

----------------------------------------------------------------------

FORA DA PAUTA

Pra não dizerem que não falei do Globo de Ouro que aconteceu domingo...
 
Foi uma edição histórica e monocromática: praticamente todas vestiram preto como parte do manifesto contra o assédio sexual. Assim a tradicional pergunta no tapete vermelho: "o que você está vestindo?" foi substituída sobre o porquê de usar preto. Os homens usavam o bottom no smoking com algo como "Basta!".
 
As piadas sobre o assunto também foram poucas e mais sutis, digamos, deixando o apresentador Seth Meyers em saia justa. Como ser engraçado com um assunto desses? Não foi. Já Elizabeth Moss e Oprah – a primeira mulher negra a ganhar o prêmio especial - mandaram bem no discurso forte.
 
 
 
A poderosa Oprah (foto: Paul Drinkwater/NBCUniversal)
 
 
Fiz minha torcida durante a cerimônia, claro! Perdi algumas: Maggie Gyllenhaal, que faz uma prostituta na ótima série "Deuce", perdeu para Elizabeth Moss de " The Handmaids Tale" ( que não tem disponível para nós e tenho muita vontade de ver...). Ganhei outras: Laura Dern, de "Big Little Lies" ganhou melhor atriz coadjuvante e Gary Oldman, melhor ator, no papel de Winston Churchill. Deixou para trás atores como Daniel Day Lewis e Denzel Washington, ganhadores costumeiros de prêmios. Aliás, a cara do Denzel na hora do anúncio foi bem reveladora! Nem um grande ator consegue esconder a decepção numa hora dessas.
 
A série " Big Little Lies" – já recomendada aqui na coluna pelo jornalista Claiton Selistre – levou tudo: melhor série dramática e melhor atriz para Nicole Kidman. Embora a história tenha um final fechado, anunciaram uma segunda temporada. A primeira está disponível no Now da Net (HBO).
 
O Globo de Ouro é visto como uma prévia do Oscar. Quem ganha um, normalmente ganha o outro, embora sejam votantes diferentes. O Globo de Ouro é escolhido pelos correspondentes estrangeiros de Hollywood; o Oscar pelos membros da Academia de Cinema, cerca de seis mil diretores, atores, técnicos... Vamos conferir se vai coincidir em 04 de março na 90ª edição do Oscar.
 

----------------------------------------------------------------------

Mens@agem para você

Sobre a edição anterior:

*Eu simplesmente amei esse tema tão importante de ser discutido! Vc arrasou! Acho que é um assunto para mais de uma coluna! Parabéns! (Juliana Bergmann)

 

*Adorei!! A cada semana a coluna fica melhor! (Victória Razig Votto)

 ----------------------------------------------------------------------

No llores. En breve volveremos.

 


Receba Novidades da
Making Of por email! Cadastrar email