Cine&Séries

A sororidade nas telas do Cinema. Sororidade?!




Com a recente efervescência dos movimentos feministas temos visto algumas palavras "novas" ou pouco usais, como "empoderamento". Você já deve ter lido também a expressão " sororidade". Alguns podem ter se perguntado: que diabos é isso? O significado no dicionário é muito bonito: sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum. A origem da palavra está no latim sóror, que significa "irmãs". Este termo pode ser considerado a versão feminina da fraternidade, que se originou a partir do prefixo frater, que quer dizer "irmão".

Depois desse "nariz de cera" fica claro qual o nosso tema da semana, né? Filmes que falam da amizade entre mulheres e que  ajudam a derrubar preconceitos e estereótipos do tipo " mulheres não mantém amizades porque são ciumentas e invejosas ...". No meu caso, tenho  amigas queridas de longuíssima data que desmentem essa bobagem. A elas, dedico esta edição como forma de agradecer pela amizade e o afeto.

Bem, vamos aos filmes? Não esqueça de incluir os seus favoritos.

BAGDÁ CAFÉ (direção: Percy Adlon- Alemanha -1987)

Este é o meu favorito sobre o tema! Um encontro inusitado que vai de um início áspero e intolerante a uma linda amizade. Uma turista alemã, interpretada pela carismática Marianne Sagebrecht, é deixada pelo marido no deserto do Arizona depois de uma discussão. Sai arrastando a mala ( a de couro, não o marido...) até encontrar um lugar chamado Bagdá Café. Lá conhece Brenda (CC Pounder) que tinha acabado de colocar o companheiro para fora de casa. Jasmin é recebida  com muita estranheza e irritação pela dona do bar que, além de tudo, tem filhos e um netinho para cuidar.  Aos poucos, elas descobrem que são muito parecidas. A alemã ajuda a cuidar do bebê e a erguer o Bagdá Café. Ela também conhece um pintor ( Jack Palance) que mora no local e acompanhamos sua transformação enquanto é retratada: as roupas pretas vão desaparecendo, desaparecendo...até se desnudar metafórica e fisicamente. Cena linda !!

De quebra, a canção de "Bagdá Café" é uma das mais conhecidas do Cinema: quem nunca sentiu um aperto no coração ao ouvir " Calling You"?  (Relembre no clipe que abre a coluna. Crédito: Artes & Afins)

THELMA E LOUISE (direção: Ridley Scott – EUA- 1991)

Ai de mim se esquecesse de "Thelma e Louise" ! O filme de Ridley Scott – que já nos deu "Blade Runner" – virou um culto à liberdade e à amizade femininas. Sua estreia foi há mais de 25 anos, mas  ele continua atual. Uma dona de casa (Thelma/Geena Davis), oprimida pelo marido, e uma garçonete solitária ( Louise/Susan Sarandon) resolvem viajar para se divertir durante dois dias. Thelma deixa um bilhete para o marido e parte...Durante a viagem elas encontram um jovem cowboy interpretado por alguém que se tornaria um dos maiores astros de Hollywood: sim, o lindinho magrela de "T&L" era o então desconhecido ...Brad Pitt. O problema é quando Thelma sofre uma tentativa de estupro por outro cara e é morto por Louise. Começa a fuga da polícia, a correria de carro até o final espetacular que prefiro encarar apenas como uma metáfora...

TOMATES VERDES FRITOS (direção: John Avnet – EUA – 1991)

A história de várias mulheres, contada no passado e presente, vai se entremeando. O elenco é brilhante: Kathy Bates, a esposa ignorada pelo marido; Jessica Tandy, a senhora que conta sua história e acaba mudando a postura submissa de Kathy diante da vida; Mary Stuart Masterson e Mary-Louise Parker, as amigas quando jovens. É um filme comovente, mas também nos faz rir. A cena em que Kathy se "vinga" de duas jovenzinhas que roubam a vaga dela no estacionamento é uma lavada de alma...

VIOLETTE ( direção: Martin Provost – França – 2013)

O encontro de duas escritoras no início do século XX acaba se transformando em amizade pela vida inteira: Violette Leduc e Simone de Beauvoir. Violette é incentivada pela grande filósofa francesa a vencer suas inseguranças e a escrever cada vez mais para enfrentar seus medos. De mulher pobre e depressiva, Leduc se transforma em alguém capaz de expor a intimidade feminina como raras vezes se viu, principalmente em tempos caretas.

GINGER E ROSA ( direção: Sally Potter – Inglaterra/Dinamarca- 2012)

Sally Potter não é uma diretora profícua, dessas que dirige três filmes por ano. Mas quando surge algum filme assinado por ela, já sabemos que não será uma história banalzinha. Foi assim com "Orlando-A Mulher Imortal", "Por que choram os homens" e "Uma lição de tango" ( que adoro e já falei para vocês em outra edição...). Aqui, ela conta a história de duas melhores amigas nos anos 60. Elas querem uma vida diferente das suas mães, mas a segunda guerra mundial e a entrada em cena do pai pacifista de Ginger vai estremecer o relacionamento de ambas. Os nomes mais conhecidos do elenco são Elle Fanning, no papel de Ginger, e Annete Benning, a mãe.

OUTROS TANTOS: Le Amiche (Antonioni, 1955); Amigas para Sempre ( Gary Marshall, 1988);Queridas Amigas ( Istvan Szabo, 1992); Os divinos segredos da irmandade Ya-Ya (Callie Khouri, 2002) ...

------------------------------------------------

FORA DE SÉRIE

GRACE E FRANKIE ( 4 TEMPORADAS – NETFLIX )

A série é uma comédia dramática deliciosa e está dentro do nosso tema: a amizade feminina. Grace e Frankie nunca foram com a cara uma da outra, mas seus maridos eram os melhores amigos. Um dia para surpresa de ambas  eles anunciam que mantém um caso há vários anos e que pretendem se separar delas para casar um com o outro! Sabe assim " meu mundo caiu?"?

Com tal reviravolta na vida, as duas acabam descobrindo que precisam apoiar uma à outra. Surge daí uma surpreendente amizade. Quem dá vida à Grace é Jane Fonda, enquanto Frankie é interpretada por Lily Tomlin (foto de abertura da coluna). A dupla é muito responsável pelo grande sucesso da série que já chega à quarta temporada. Os atores que interpretam os maridos gays também não ficam atrás: Martin Sheen e Sam Waterston, ótimos.

Com o tempo as duas vão convivendo com as diferenças:  Grace é mais "perua", Frankie uma "hipponga" que  não se conforma com o marido ser gay e também deseja encontrar outro amor a qualquer custo.

Quem assina a série é Martha Kaufmann, a criadora de um dos maiores sucessos da TV seriada :"Friends".

------------------------------------------------

O LIVRO QUE VIROU FILME

"PENTIMENTO ( A HISTÓRIA DE JÚLIA") – LILLIAN HELMAN – 1973

Este é o segundo livro de memórias da escritora americana Lillian Helman. O primeiro se chamou "Uma mulher Inacabada". Em "Pentimento", ela conta passagens desde a infância, passando pelo seu relacionamento com Dashiel Hammet, -um dos mestres da literatura policial, perseguido durante o McCarthismo - até a história de Júlia que virou filme.

Júlia era uma rica amiga de infância de Lillian que trocou uma vida confortável e burguesa pela resistência ao nazismo em Viena, nos anos 30. Ela conta o encontro com Júlia, a admiração pelo ideal da amiga e como a ajudou naquele momento de luta.

A palavra pentimento é bem usada como titulo :"à medida que o tempo passa, a tinta vermelha em uma tela muitas vezes se torna transparente. Quando isso acontece, é possível ver, em alguns quadros, as linhas originais. Isso se chama pentimento, porque o pintor se arrependeu, mudou de idéia.". São imagens já meio apagadas, como acontece com nossa memória.

"JÚLIA" ( direção: Fred Zinemann – 1977)

Na adaptação para o cinema, Jane Fonda interpreta Lillian Helman e Júlia é vivida por Vanessa Redgrave, uma de minhas atrizes favoritas. Meio caminho andado para explicar o quanto gostei do filme na época. A partir de "Júlia" saí lendo toda a obra de Lillian e, por consequência de Dashiell Hammet, o grande amor de sua vida. O filme mostra que Lillian chegou a contrabandear dinheiro para ajudar a amiga Júlia a salvar vítimas do nazismo.

Além das duas grandes atrizes, "Júlia" trouxe no elenco uma jovem que se tornaria uma das maiores estrelas do cinema americano: Meryl Streep. Filmaço!

------------------------------------------------

EM CARTAZ

Sem desculpas para não ir ao cinema: há bons filmes de graça para adultos e cinéfilhinhos em Florianópolis !!

CIC-Centro Integrado de Cultura -  8 a 11 de fevereiro – 20h

Tudo Que Eu Amo ( comédia romântica – Polônia)

Sinopse oficial :É uma bela primavera na Polônia em 1981. Janek tem 18 anos e mora em uma cidade à beira-mar. Filho de um capitão naval, ele forma uma banda de punk rock para poder expressar o que pensa. Ele dedica sua vida à música e ao seu primeiro amor, Basia, mas tudo está prestes a mudar. Greves gerais varrem a Polônia, e o Partido Comunista se prepara para impor uma lei marcial. A tensão no país aumenta, e as revoltas adolescentes tornam-se arriscadas durante os tumultos políticos. Um confronto com um comissário do governo e a morte de uma pessoa próxima mudarão a vida de Janek para sempre.

A exibição é uma parceria da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), administradora do espaço, e Unisul campus Pedra Branca, responsável pela programação.

***

CIC -Cineclube da Mostra de Cinema Infantil – 10 de fevereiro – 16h

Kiriku – Os Homens e as Mulheres

Animação francesa com duração de 88 minutos.

Sinopse oficial: O Homem Sábio da Montanha Proibida conta histórias do heroico Kiriku, que desde a infância sempre esbanjou coragem, inteligência e agilidade. Vivendo em uma aldeia ao lado de sua mãe, Kiriku era capaz de solucionar qualquer tipo de problema, até mesmo questões envolvendo forças ocultas.

------------------------------------------------

BEIJO DE CINEMA

"Confesso que preciso de sorrisos, abraços, chocolates, bons filmes, paciência e coisas desse tipo". Assim como o escritor Caio Fernando Abreu quem não gosta de abraços, bons filmes...? Pois hoje, trocamos os beijos desta seção por um abraço apertado, afetuoso e pleno de sororidade.

A escolha recaiu sobre Jasmin e Brenda de "Bagdá Café". Ao se despedirem elas agradecem a felicidade de terem se conhecido e, depois de estranheza e antipatia iniciais, terem se tornado as melhores amigas.

 

------------------------------------------------

HASTA LA VISTA, BABY

Frases de Cinema

***

"Sou jovem demais para ser velha e velha demais para ser jovem". (Tomates verdes fritos)

***

"Meu pai sempre dizia que havia um Deus separado para as crianças". ( Tomates verdes fritos)

***

" Louise - No futuro lembre-se que se uma mulher está  gritando dessa forma é porque não está se divertindo  ". (Thelma  e Louise)

***

Louise : "Acho que me tornei um pouco louca. Thelma: não, você sempre foi louca, mas é a primeira vez que pode se expressar." (Thelma e Louise)

***

Grace: "Olha aqui, na minha idade só tenho uma marcha e é ponto morto". (Grace e Frankie)

------------------------------------------------

Sobre a colunista: Brígida De Poli é jornalista. Cinéfila desde criancinha converteu-se à mania das séries depois de assistir a "Os Sopranos". Não se considera crítica de cinema, apenas alguém que gosta de trocar ideias sobre a sétima arte.

Contato: cineseries@portalmakingof.com.br

------------------------------------------------

Ai, amiga...fiquei tão comovida com esse tema! Não me conformo que já acabou!

THE END



Receba Novidades da
Making Of por email! Cadastrar email